Asas

Tendo em sua grade de disciplina aulas de “Cuidado e Manutenção com Canos de Esgoto” e “Erradicação de Mofo e Fungo”, a Fundição de Aço Portland é um colégio voltando para a educação de jovens com grande dificuldade de aprendizado que, além de não terem condições de acompanharem o ritmo de uma “escola normal”, as chances de aprenderem uma profissão e arrumarem um emprego é quase nula. Sendo assim, a Fundição tem o objetivo de ensinar a seus alunos toda arte de trabalhos que quase ninguém queria; garantindo assim que aqueles futuros adultos teriam um trabalho (ainda que horrível) e não seriam um encosto para a sociedade.

Acho que não sou a única que não queria passar nem perto de uma escola como essa, certo?

Acontece que é justamente lá que conhecemos Edward Macleod.

E, ao contrário do que você deve estar pensando, Ed não tem qualquer dificuldade de aprendizado. O caso é que, após a morte de sua mãe, Edward foi enviado pela tia para a Fundição, a qual prometeu que seria por uma breve temporada.

Só que a “breve temporada” já tinha mais de um ano.

Como se o fato de estar na Fundição por si só já não fosse ruim o bastante, além de gago, Ed é tão alto quanto um poste (mais de um metro e noventa de altura) e mais magro do que um. Nem preciso dizer que além de ganhar apelidos como “varapau” e “pau-de-virar-tripa”, ele ainda “ganhou” um valentão que adorava pegar no pé dele, né?

Mas a gagueira, altura e magreza não são as únicas particularidades de Edward. Pouco depois de sua chegada à Fundição, uma incômoda e constante coceira começa a atormentar o garoto. Achando que não era nada de mais, Ed não comenta sobre aquilo com ninguém, embora, quando a coceira se torna insuportável de tão intensa, ele realmente ficava preocupado.

Ao ser levado a sala do diretor depois de mais uma briga provocada pelo valentão, Edward é apresentado a Chicotada Scruggs, uma referência quanto a correção de alunos desordeiros e que não tinha o apelido de chicotada à toa (sim, é exatamente isso que você está pensando).

E para terminar de lascar de vez a situação do Ed, Scruggs parece saber a verdade por trás da coceira que vem atormentando o garoto.

Paralelo a isso temos o Sr. Spines (uma mistura de homem com porco-espinho), Sariel (uma fêmea de arminho) e Artemis (um sapo alado), que além de saberem do mistério que gira em torno de Edward – junto com o que está por trás de sua coceira – também conhecem - e têm medo - de chicotada Scruggs. Tanto que, quando descobrem que ele está tão próximo do garoto, tratam de traçar um plano para fugir com Ed.

Então... Bom, vou parar por aqui, pois além de não querer soltar spoiler, também quero deixá-lo curioso quanto ao que acontece depois.

Gostei de “Asas” como um todo, principalmente no primeiro encontro de Edward com o Sr. Spines e companhia. O garoto não age como se a existência daquelas criaturas estranhas e falantes fosse algo normal, muito pelo contrário; ele acha estranho, fica com medo, não confia neles logo de cara... E achei isso de uma riqueza ímpar no livro! É sério, adoro quando a fantasia e o real se esbarram tanto nos livros quanto nos filmes.

Outra coisa que gostei e não posso deixar de pontuar é o fato do livro ter um glossário; e não só com os termos usados ao longo do livro como também com o nome dos personagens e um pouco de sua história. E acredite: isso faz diferença na hora da leitura.

E quanto a capa, achei linda! Embora seja um MEGA spoiler! Sim, o Edward vai ganhar lindas asas cor de ébano (aliás, a parte que as asas nascem é ótima, foi bem descrita e faz com que o leitor sinta o que o personagem está sentindo no momento). Mas a graça não é saber o quê acontece e sim como acontece, não é mesmo? E quanto as cartas, Edward está sempre com um baralho à mão; além de sua incrível habilidade de fazer castelos de cartas, quando o faz, ele fica calmo e seu raciocino funciona numa velocidade surpreendente!

Se recomendo “Asas”? Sim, recomendo. Não vou dizer que é um dos livros mais fantásticos que já li, mas é uma história divertida, envolvente e de uma linguagem gostosa de ler... Também posso dizer que estou curiosa pelo o quê vai acontecer no próximo livro, que será lançado no Brasil no ano que vem.

Para mais informações sobre esse e outros livros da Farol Literário, basta acessar o site da editora.

Ah! Não deixe de seguir a Farol no Twitter, tá? 

4 comentários:

Marcos Bandini disse...

Ótima resenha, Rafa!

Fiquei instigado a lê-lo, principalmente por esse lado 'fantasia com um pé na realidade', é uma coisa que eu realmente curto bastante. E Edward parece ser um personagem interessantíssimo, misterioso.

Beijos.

Rafaela Rocha disse...

Oi Marcos =]

eu achei o Edward um daqueles personagens que não precisam de muitoa coisa para conquistar o leitor. Ele é o esquisito da turma, mas não leva isso numa boa, sabe?

Outro personagem que gostei muito foi a Sariel, até fiquei com vontade de ter um arminho ^_^

††Lady Chrissy†† disse...

Rafa mandando super bem na resenha!

A história do livro parece ser bem bonitinha *-* e a capa é legal d+

=**

Caçadora de Livros disse...

Esse livro é muito lindo!
Tanto por fora, quanto por dentro! ^^
Excelente escolha!
=D